O QUE O PROJETO TEM GERADO?

O domingo “de volta à Igreja” tem sido um sucesso por onde foi implementado. Em 2009, a Igreja da Inglaterra reportou um acréscimo de frequência dominical de cerca de 82 mil pessoas naquele dia.

Em Toronto, a diocese anglicana também reporta resultados convincentes. No Canadá, a estratégia de convites envolveu a distribuição de mensagens pessoais por parte do clero e do povo em áreas de grande tráfego das maiores cidades do país.

Debra Karim, como muitos outros cristãos, havia deixado de ir à igreja por causa de uma vida atarefada. Ela respondeu ao convite de uma amiga e foi ao domingo “de volta à Igreja” na Diocese de Peterborough, em 2007. Desde então, tem continuado a frequentar assiduamente a paróquia que visitou. “Onde mais você pode ter um rosto amigo, um sorriso e uma sensação de paz e contentamento?”, diz ela.

Com o projeto em andamento desde 2004, algumas pesquisas apontam que cerca de 85% das pessoas convidadas a irem à Igreja acabaram indo, e 15% permaneceram na Igreja após aquela data.

A Igreja Episcopal Anglicana do Brasil participou da iniciativa mundial chamada “de volta à Igreja” pela primeira vez, em 2010. Foram ao todo trinta igrejas participantes, que convidaram milhares de amigos para o grande dia. Em virtude das dimensões geográficas do país e da hipossuficiência de várias congregações, foi adotada uma proposta flexível na IEAB. Os convites foram disponibilizados de forma gratuita no site do projeto, e foi encorajada a produção local, tanto em preto e branco quanto colorida.

As igrejas participantes, em média, apresentaram um aumento de frequência de 30% no domingo “de volta à Igreja.” Para muitos, mais importante que o aumento de frequência foi o encorajamento dos fiéis para tomarem parte de atividades de evangelismo. Segundo Morôni Azevedo de Vasconcelos, paroquiano da Paróquia do Bom Jesus, no Rio de Janeiro, o projeto conseguiu mobilizar muitas pessoas a trabalhar com metas e prazos na evangelização. “Quando todos assumem o compromisso de levar pelo menos mais um em um determinado dia, os membros se desafiam a superar sua própria timidez, medo de recusa e o resultado, como vimos foi excelente já que tivemos congregações cheias no dia e até em domingos seguintes”.

A experiência de acolhida e participação do povo, aliada à presença de rostos novos na congregação, também foi muito importante para a Revda. Ana Maria Esvael Lopes, da Matriz do Crucificado em Bagé/RS. Sua sugestão, que reafirma as opiniões de muitos outros participantes, é a de que o projeto não se resuma a um evento por ano, e que seja repetido nas principais datas do ano cristão. Para o Bispo Francisco de Assis da Silva, a experiência foi uma redescoberta da vocação missionária da IEAB. Agora é hora de seguir adiante na acolhida de todas as pessoas e no uso de seus dons dentro da Igreja para o crescimento do Reino de Deus. Vamos recomeçar os trabalhos em 2011?

Para acompanhar mais notícias internacionais sobre o projeto “de volta à Igreja”, visite a página oficial na Grã-Bretanha.